Free songs

“Amarelada” de Valdivia não é novidade no Palmeiras

set 29 • Atlético-MG, Atlético-PR, Bahia, Botafogo, Brasileirão, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Goiás, Grêmio, Internacional, Palmeiras, Santos, São Paulo, Times, Vasco, Vitória2 comentários em “Amarelada” de Valdivia não é novidade no Palmeiras

Valdivia é um ídolo que nunca decidiu nada com a camisa do Palmeiras. O passado confirma isso e condena o “craque”. Diante do Figueirense, neste domingo, em Santa Catarina, o Palmeiras sofreu uma doída virada e o chileno acabou apontado como vilão por não decidir a vitória quando teve a chance, na cara do goleiro rival, num momento que o Alviverde vencia a partida.

A omissão de Valdivia não me surpreende. Quem conhece o passado do meia sabe que transferir responsabilidade é uma das principais características do chileno, que não é craque, mas é tratado como ídolo pela carente e sofrida torcida palmeirense.

Em 2007, este blogueiro era setorista do Palmeiras por um jornal de São Paulo e assistiu “in loco” o Palmeiras perder a vaga na Copa do Brasil numa disputa por pênaltis, diante do Ipatinga, no Palestra Itália.

Na ocasião, Valdivia fez um gesto de “não” no momento da consulta de um integrante da comissão técnica, perguntando se ele bateria um pênalti. Omissão e falta de coragem para chamar a responsabilidade.

Sou de um tempo em que o craque do time usava a camisa 10. Ele poderia até jogar mal e perder pênalti, mas em hipótese alguma apresentava omissão. As coisas no entanto mudaram para pior no futebol brasileiro.

O mesmo Valdivia que se omitiu diante do Figueirense, jogando de novo contra o Palmeiras, saiu sob aplausos no triunfo da semana passada, diante do Vitória, no Pacaembu.

Esse é o mesmo ídolo que deixou o Palmeiras na mão após a Copa do Mundo, pois preferiu dar um giro na Disneylandia, enquanto todos perguntavam por ele dentro do clube.

Concluo que cada torcida tem o ídolo que merece. Para mim Valdivia não é craque, tampouco ídolo. No meu clube não faria nem parte do elenco. Um jogador que não consegue ser titular na seleção do Chile não pode ser apontado como referência num clube do tamanho do Palmeiras.

Em tempo: em abril de 2007, na eliminação do Palmeiras da Copa do Brasil, os pênaltis diante do Ipatinga foram cobrados por Michael, Dininho e Florentín, que marcaram os gols. Martinez, Edmundo e Amaral erraram as cobranças, mas deram a cara para bater.

Valdivia assistiu a eliminação do banco de reservas. Calado e omisso.

Comentários

Related Posts

« »