Free songs
rib4852

Clube x treinador: Chumbo trocado não dói!

jan 3 • Atlético-MG, Atlético-PR, Bahia, Botafogo, Corinthians, Cruzeiro, Destaques, Flamengo, Fluminense, Goiás, Grêmio, Internacional, Palmeiras, Santos, São Paulo, TICKER, Times, Vasco, VitóriaNenhum comentário em Clube x treinador: Chumbo trocado não dói!

Sou um dos muitos jornalistas que criticam de forma impiedosa o imediatismo que toma contamina as ações dos dirigentes-torcedores que comandam o futebol brasileiro. A cada sequência de derrotas ou perda de campeonatos, os engravatados demitem o treinador, abrindo mão de convicções e planejamentos, como se o técnico fosse o grande e único culpado pela derrocada do clube.

Sem choro, nem vela…

No entanto, quando vejo Fernando Diniz abandonar o Guarani com um mês de trabalho, rumo ao Atlético-PR, admito que fico sem palavras, ou melhor, sem argumentação para defender a classe. Sim, havia um adendo no contrato que liberava Diniz de forma imediata, mediante o convite de um clube da Série A nacional. O treinador fez valer o que rezava no contrato, normal…

No entanto, para mim cai por terra a máxima de que o treinador precisa de tempo para desenvolver todo o seu trabalho à frente de um time de futebol. Isso poderia ser feito no Guarani, mas não foi porque Diniz preferiu o Atlético. Isso é da vida, do futebol, do profissional. Sem demagogia, talvez eu faria o mesmo.

Agora, admito que vou pensar duas vezes antes de criticar os dirigentes diante do imediatismo dos resultados e das demissões seguidas dos treinadores. É chumbo trocado. Todos, sem exceção, compactuam com este triste cenário que atrasa o futebol brasileiro. Não tem mocinho nessa história, só vilão.

Não serei revanchista, até porque não conheço Fernando Diniz, apenas aprecio apenas o seu trabalho e suas convicções de futebol. Portanto, que ele tenha sucesso no time paranaense e que o Guarani busque um novo treinador e siga sua vida.

Mas ressalto que vi esse filme recentemente, quando Guto Ferreira deixou um Bahia em ascensão, na Série A do futebol brasileiro, seduzido pelo projeto do Internacional, então na Série B do Brasileirão. Antes mesmo do final do nacional, o Colorado, à beira do acesso, demitiu o treinador, assim como Guto havia feito com o Bahia, para não pagar multa que o “protegia”. Coisas do futebol brasileiro. Como disse acima: chumbo trocado. Eles se merecem…

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE