Free songs

“Sou um vitorioso contra os patrulheiros”

out 29 • Destaques, Entrevista, TICKER2 comentários em “Sou um vitorioso contra os patrulheiros”

Na última parte da entrevista com o jornalista e publicitário mais polêmico do pais, Milton Neves abre fogo contra àqueles que sempre o criticaram por fazer publicidade em seus programas. “Ninguém tem coragem de falar que o que sempre fiz no rádio e na televisão, a Folha de São Paulo, o maior jornal do país, faz hoje na metade sua capa.”

Milton fala também da importância em sua carreira de dois programas: o Terceiro Tempo e o Super Técnico. Acompanhem!

Blog Salgueiro FC – O Milton Neves contou mais com a sorte ou com a competência?

Milton Neves – Tudo que eu faço tenho competência. A sorte é o encontro da capacidade com a oportunidade. Eu tive muitas oportunidades, sem dúvida, mas aproveitei todas pela minha competência. Memória, voz, conhecimento, ousadia, opinião – polêmica ou não-, credibilidade com a publicidade. Eu mudei o braço da viola.

– A publicidade é uma marca em sua vida profissional. E alvo também de muitas críticas. Como você recebe isso?

– Modelo de negócio na publicidade, na apresentação de programas com irreverência, opinião e bom humor, todo mundo me copia. Todas as mesas redondas atuais são cópias do Milton Neves.

Até mesmo quem me patrulhava por fazer propagandas hoje faz em seus programas. O jornalista Flávio Padro, que é professor de jornalismo, sempre criticou e faz o mesmo em seu programa. A Renata Fan que eu inventei, o Neto, o Benjamin Back, o Roberto Avallone… Tudo modelo Milton Neves. Esse é um legado que eu deixei para a TV e rádio.

– Essa é uma tendência ou já uma realidade no meio do jornalismo?

– A Globo está mudando o jornalista para o entretenimento para escapar desta lei global que jornalista não pode fazer propaganda. É uma hipocrisia desgraçada. Fátima Bernardes, Pedro Bial e Patrícia Poeta estão fazendo na área de entretenimento e são ótimos jornalistas. E a Marília Gabriela, que não conheço e tenho admiração, faz propaganda direto e assina jornalista Marília Gabriela. Ela faz e muito bem.

– E os patrulheiros seguem firmes nas críticas?

– Os patrulheiros de repente sumiram. E ninguém tem coragem de falar que o que o Milton Neves sempre fez no rádio e na televisão, a Folha de São Paulo, que é o maior jornal do país, faz isso na metade sua capa falsa, o que é também feito pelo Estadão, Agora São Paulo, entre outros jornais e revistas importantes do país. O New York Times, que existe desde antes de Cristo, agora aceitou publicidade em sua primeira página. Trata-se de um merchandising inteligente. O Milton Neves é o maior vitorioso contra os patrulheiros.

– E revelar o clube do coração mais ajudou ou atrapalhou?

– Dizem que eu fui o primeiro jornalista a declarar o time do coração. Isso é uma grande bobagem. Eu fui um dos últimos. Quando cheguei a São Paulo, muitos jornalistas de renome nas históricas mesas redondas já haviam revelado o time do coração.

– Qual a importância do programa Super Técnico em sua carreira?

– O Super Técnico foi um sucesso de audiência e mídia. Programa meu não dá prejuízo no rádio e na televisão. O Super Técnico é um marco na minha vida, pois abriu para mim o universo da televisão.

E o programa Terceiro Tempo, sucesso no rádio e na TV?

– O Terceiro Tempo profissionalmente foi tão importante quanto o meu nascimento em Muzambinho (MG). No início eu marcava passo na Jovem Pan. Trabalhava todos os dias como um cavalo, ganhava uma merreca. Mas eu ganhava aquilo e achava que estava bom demais. Já era casado, tinha três filhos e morávamos num apartamento pequeno em Pinheiros, o qual tenho até hoje e está alugado. O Terceiro Tempo mudou minha vida, sem dúvida.

– Mas você poderia ter atingido bem antes o patamar que é hoje de sucesso na TV e na publicidade?

– Eu não tenho arrependimento dos 33 anos de Jovem Pan, de jeito nenhum, pois na minha vida tudo que aconteceu deu certo. Poderia ter saído antes para a Rádio Bandeirantes, em 1994, quando fui convidado e arrebentado a boca do balão de fazer sucesso. Fui apenas em 1999, mas não lamento nada do que aconteceu comigo. Meus 33 anos na Jovem Pan ninguém apaga e tenho o maior orgulho.

– O Milton Neves é um bom produto de mídia?

– Eu era e sou um bom jornalista de estúdio, para não dizer ótimo, para apresentar programas. E apresento qualquer coisa e muito bem, sobre qualquer assunto, desde que seja na língua portuguesa, bem diferente dos meus filhos que são poliglotas.

 

Foto: Divulgação

Comentários

Related Posts

« »