Free songs
calleri-fica-sentado-dentro-do-gol-depois-de-nao-conseguir-alcancar-cruzamento-de-michel-bastos-durante-a-partida-entre-atletico

Gritaria seletiva não resolve os desmandos da Conmebol

jul 14 • Corinthians, Destaques, Libertadores, São Paulo, TICKER, TimesNenhum comentário em Gritaria seletiva não resolve os desmandos da Conmebol

A gritaria dos são-paulinos é justa. O time foi prejudicado na eliminação para o Atlético Nacional, na Colômbia. O pênalti em Hudson foi claro, assim como claro foi o desejo do árbitro em não querer marcar a infração. Não se sabe se o lance seria convertido e se o São Paulo se classificaria. Fato é que mais um time brasileiro foi prejudicado na principal competição sul-americana.

E vale lembrar que o São Paulo foi beneficiado diante do Galo, o que poderia ter custado à eliminação tricolor antes da semifinal.

O Corinthians também foi lesado por Carlos Amarilla, em 2013, num dos maiores roubos da história da competição. A gritaria aconteceu como agora, mas acabou com o passar dos dias como acontecerá também neste ano.

A indignação dá lugar a um silêncio constrangedor. O mesmo silêncio que toma conta agora da CBF. Uma vergonha.

O problema é que os clubes brasileiros são reflexos do que é o Brasil: cada um por si e Deus por todos. Os dirigentes só se preocupam quando os erros são contra. Quando a favor, o silêncio vem à tona, sem constrangimento. Por aqui, ganhar roubado é legal e tem duplo sabor: da conquista e de ter levado vantagem sobre o rival. Nojento. E isso em todas as competições.

A Libertadores não existe sem os clubes brasileiros. Não é arrogância, é fato. A principal competição do continente é dependente dos clubes daqui. Sem eles, ela não tem motivo para existir.

Lamento que os clubes não tenham noção da força que têm juntos, unidos, remando para o mesmo lado.

Em 2013, no roubo do Amarilla contra o Corinthians, até dirigentes tiraram sarro do rival. Agora foi a vez de o São Paulo sentir na pele a dor do erro proposital. E o troco foi dado. Torcedores rivais debocham, num revanchismo idiota. Mas o futebol é assim, sobretudo entre os fanáticos.

O problema é quando os dirigentes têm postura de torcedor é só pensam em se beneficiar com os erros a favor e debochar dos erros alheios. Por isso o futebol brasileiro está onde está. O amadorismo toma conta dos clubes, federações e confederações brasileiras. Todos perdem. Todos são vítimas da ignorância. E desta malfadada indignação seletiva.

Foto: UOL

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE